• Slide 3
  • Slide 1
  • Slide 2
  • Slide 4
  • Slide 5
  • Slide 6

Notícias Ecclesia

VI Domingo Comum - Ano A

VI Domingo do Tempo Comum – Ano A

Diante da Palavra
Vem, Espírito Santo de Amor, renova todas as coisas (cf Apocalipse 21, 5).

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo S. Mateus 5, 17-37 (Mt 5,17. 20-22a.27-28.33-34a.37)


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim revogar, mas completar.
E continuou: «Se a vossa justiça não superar a dos escribas e fariseus, não entrareis no reino dos Céus. Ouvistes que foi dito aos antigos: ‘Não matarás; quem matar será submetido a julgamento’. Eu, porém, digo-vos: Todo aquele que se irar contra o seu irmão será submetido a julgamento. Ouvistes que foi dito: ‘Não cometerás adultério’. Eu, porém, digo-vos: Todo aquele que olhar para uma mulher com maus desejos já cometeu adultério com ela no seu coração. Ouvistes ainda que foi dito aos antigos: ‘Não faltarás ao que tiveres jurado, mas cumprirás diante do Senhor o que juraste’. Eu, porém, digo-vos que não jureis em caso algum. A vossa linguagem deve ser: ‘Sim, sim; não, não’. O que passa disto vem do Maligno».

Caríssimos irmãos, continuamos a escutar o primeiro discurso de Jesus apresentado no evangelho de S. Mateus. Estamos no “corpo” do Sermão da Montanha. Lendo a forma longa do Evangelho proposto para este Domingo (Mt 5, 17-37) encontramos quatro das seis antíteses que nos ajudam a prosseguir no caminho da santidade.

Interpelações da Palavra
“Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim revogar, mas completar».” (Mt 5,17)
Estas palavras de Jesus terão algo a ver com o update (atualização) a que está sujeito o equipamento tecnológico que utilizamos neste tempo em que vivemos? Após o update de um software (ou se preferirmos, de uma atualização de um programa que usamos) verificamos com agrado as vantagens que nos traz em diversos domínios… Com Jesus … há algo mais do que uma atualização da Lei entregue por Deus a Moisés. As palavras e ações de Jesus levam-nos a compreender o que está por detrás dessa lei, a sua essência: o AMOR!

“Ouvistes que foi dito aos antigos: ‘Não matarás; quem matar será submetido a julgamento’. Eu, porém, digo-vos: Todo aquele que se irar contra o seu irmão será submetido a julgamento” (Mt 5, 20-21)
Sempre atuais as palavras de Jesus. Aqueles que já foram vítimas de bullying sabem bem como experienciaram tempos duros, estando permanentemente aterrorizados. Quantas pessoas vivem a indiferença de quem está a seu lado. Quão necessário é que cheguem uns raios de Evangelho à vida daqueles que oprimem os outros de formas tão geniosas!

“Ouvistes que foi dito: ‘Não cometerás adultério’. Eu, porém, digo-vos: Todo aquele que olhar para uma mulher com maus desejos já cometeu adultério com ela no seu coração” (Mt 5, 27-28)
Somos alertados para o cuidado dos sentidos na vivência de uma vida consentânea com o Evangelho. Mesmo que alguém cumpra, escrupulosamente, todas as regras externas, e por isso se julgue superior a outrem e até com autoridade para ajuizar os comportamentos de terceiros, a certa altura, há de ter consciência da necessidade da Misericórdia divina que purifica o mais íntimo de cada pessoa.

“Ouvistes ainda que foi dito aos antigos: ‘Não faltarás ao que tiveres jurado, mas cumprirás diante do Senhor o que juraste’. Eu, porém, digo-vos que não jureis em caso algum. A vossa linguagem deve ser: ‘Sim, sim; não, não’.” (Mt 5, 33.37)
O crude derramado nos oceanos vai contaminando, levando à morte muitas espécies. Um vírus informático vai danificando o sistema de um computador. As faltas de educação, de perdão, de verdade, … nas relações interpessoais vão-nas deteriorando e, quando perpetuadas, chegam a destruí-las. Reflitamos sobre os diferentes elementos duma ecologia integral (Laudato Si´, 137-162) e vejamos as implicações para a nossa vida.

Rezar a Palavra e contemplar o Mistério
Senhor, a clareza do teu ensino é provocação a uma vida radical.
Desafias-nos a viver o amor autêntico, não possessivo,
no respeito permanente pela dignidade de cada filho(a) de Deus.
Quantas vezes nos recusamos a compreender a clareza dos teus ensinamentos,
rejeitando a firmeza das tuas palavras, expressa na linguagem “sim, sim; não, não”,
e nos evadimos em expressões “talvez sim, talvez não, talvez desta ou daquela forma…”,
desculpando, assim, os nossos comportamentos não evangélicos.
Vem, Senhor, sê o soberano das nossas vidas, habita o nosso santuário interior
e desde aí conduz o nosso agir, para que permaneçamos em Ti.

Viver a Palavra
Proponho-me ler Mateus 5, 17-37, permitindo que o Espírito de Deus continue a formar minha consciência.

Irmã Maria Florbela, SFRJS

Newsletter

Receba as nossas novidades.
Subscreva a nossa Newsletter:

© 2013 SFRJS Todos os direitos reservados